Fundação Cidade das Artes

Institucional » A Estrutura

Qualidade, diversidade e excelência no maior complexo cultural do Rio

Estrutura IMG

Imponente e moderno projeto arquitetônico do francês Christian Portzamparc, com suas velas de concreto içadas entre o mar e as montanhas da Zona Oeste carioca, a Cidade das Artes já é um marco. Tornou-se ponto de referência na cidade por seu desenho arrojado e por levar a uma região carente de espaços para apresentações artísticas de qualidade um pólo cultural que oferece, entre outras instalações, uma das mais bem equipadas salas de espetáculos da América do Sul.

O edifício é cercado por um estacionamento com capacidade para 750 automóveis

O complexo cultural reúne, além da Grande Sala, com capacidade para 1250 pessoas, um sofisticado Teatro de Câmara, com 450 lugares, galeria de arte, Sala de Música Eletroacústica, salas multiuso, modernas salas de ensaio e espaçosos camarins integrados a um lounge de convivência. A bilheteria está instalada no térreo, em meio às “velas”, que substituíram os pilotis com suas paredes de concreto. Por entre as grandes velas de concreto passam todas as instalações do edifício. Também no térreo fica o grande espelho d’água, entrecortado pelos pátios cobertos e de onde se erguem vigorosas colunas. Na esplanada Luiz Paulo Horta, no primeiro andar, suspenso dez metros do solo, onde se chega por escada rolante ou elevador, ficam as principais instalações.

O conceito de cultura como motor do desenvolvimento
 

O local escolhido para o funcionamento da Cidade das Artes, a Barra da Tijuca, com suas amplas áreas livres e carências de serviços de entretenimento e cultura foi considerado o lugar apropriado para receber visitantes de todas as partes da cidade. Ao mesmo tempo, a ideia era trazer uma nova dimensão cultural para essa região do Rio. Graças às novas obras projetadas por esta Administração para atender à Copa do Mundo e às Olimpíadas, o acesso à Cidade das Artes é bastante facilitado, com o ponto final dos ônibus da BRT atrás do complexo e uma estação do metrô, ligada ao centro de artes através do metrô de superfície. Além disso, o edifício é cercado por um estacionamento com capacidade para 750 automóveis.

O amplo terraço que abriga as salas distribui as atividades e acolhe o público com uma cobertura a 30 metros de altura é um bloco vazado por transparências. O arquiteto francês adotou a noção dos “tijolos perfurados”, que formam grandes blocos por onde circula o ar. O conceito de volume vazado e elevado foi imediatamente aprovado porque, além de belo, traz uma linguagem arquitetônica condizente com o clima da cidade. Portzamparc afirma que sob esse enorme teto, “os volumes das salas de música, dança e de cinema se distribuiriam e abririam entre eles à passagem da luz, do movimento”. Desde o início, pensou-se em instalar as diferentes salas em volumes distintos, separados e isolados acusticamente. Da maneira como foram construídas, como casulos fechados, as salas podem realizar simultaneamente diferentes espetáculos sem que um seja perturbado pelo outro.

O conceito de cultura como motor do desenvolvimento
 

A Grande Sala, de uso múltiplo, estabelece uma relação espacial muito peculiar e especial entre público e artista. Seus camarotes são torres de vários andares, que criam a impressão de um espaço misterioso, íntimo e dilatado, segundo Portzamparc. O palco é transformável. Pode ser lugar para concerto, ópera, teatro, shows.

O foyer que leva à Grande Sala é repleto de passarelas, escadas, pontes e janelas, que permitem a passagem do público do exterior para o interior da sala, e levam aos vários andares do teatro. “É o pretexto para o prazer de um passeio no espaço. É um jogo em si mesmo de subir, e descer, e circular. Já é uma espécie de teatro em três dimensões do público com ele mesmo”, garante Portzamparc.

A sala de Teatro de Câmara tem duas configurações cênicas diferentes. Isso é possível graças à plataforma circular sobre a qual se instalam o palco e as primeiras fileiras da platéia. Ela pode servir como sala clássica frontal de teatro e música ou uma espécie de anfiteatro.

O interior das salas tem um isolamento acústico de tal qualidade que é possível gravar um espetáculo sem ouvir os aviões e helicópteros que passam por ali. O acabamento das salas com o tratamento do som foi feito pelo engenheiro especializado em acústica, o chinês Xu Yaing. “A geometria, os ângulos e as diversas profundidades das superfícies das torres são excelentes para a difusão e a difração do som e funcionam como a decoração barroca que havia nas salas tradicionais de Berlim ou Viena, que foi abolida pelos arquitetos modernos”, afirma Xu. “Assim, as torres colaboram tanto para melhorar a qualidade acústica da sala em geral, quanto para oferecer ao público as melhores posições para ouvir música.”

Todos os cuidados foram tomados para que as necessidades do planejamento teatral fossem atendidas, em termos de fluxos de entrada e saída, coxias espaçosas, armazenamento de equipamentos e instrumentos, salas de apoio, oficinas, salas de ensaio.

O conceito de cultura como motor do desenvolvimento
 

A transformação do centro em Cidade das Artes se deu a partir da ideia de buscar um leque mais amplo de atividades culturais concentradas em um só lugar. O centro tem uma galeria de arte preparada para acolher exposições temporárias.

Um importante espaço de difusão cultural é a Sala de Leitura, montada para atender a população com acervo impresso e virtual e realizar ações envolvendo leitura, livros e arte e educação. As atividades, que são gratuitas, ocorrem em todos os espaços livres da Cidade das Artes, com contação de histórias, saraus poéticos, encontros com autores e ilustradores e troca de livros. A ideia é abrir as portas da Cidade para a população de todas as idades e níveis sociais. A Sala de Leitura é totalmente informatizada e, além de livros, oferece DVDs e CDs para consulta.

A Cidade das Artes consolida a vocação do Rio de Janeiro de capital cultural do país, eleva a cidade a um patamar cultural internacional e cria um pólo de cultura capaz de formar novas, qualificadas e exigentes plateias.

 

EVENTOS

POLÍTICA DE PREÇOS E CONTRAPARTIDAS PARA AUTORIZAÇÃO DE USO DOS ESPAÇOS DA CIDADE DAS ARTES

 


ESPAÇO CAPACIDADE CATEG. 1
Grande Sala 1.222 pax R$ 40.000,00
Foyer da Grande Sala 250 pax R$ 8.000,00
Arena da Grande Sala 300 pax R$ 8.000,00
Teatro de Câmara 439 pax  R$15.000,00
Foyer Teatro de Câmara 100 pax R$ 5.000,00
Sala VIP 120 pax R$ 5.000,00
Sala Eletroacústica 120 pax R$ 5.000,00
Sala de Ensaio 1 240 pax R$ 8.000,00
Sala de Ensaio 3 90 pax R$ 4.000,00
Esplanada 2000 pax R$ 25.000,00
Praça - Área Coberta 6000 pax R$ 30.000,00
Jardins Modular R$ 25.000,00
Galeria 1 Modular R$ 25.000,00/ por semana
Galeria 2  Modular R$ 15.000,00/ por semana
Sala de Dança 50 pax R$ 3.000,00
Salas Multiuso I, II ou III 50 pax R$ 2.000,00/ cada
Sala de Backstage - DIVAS I ou II 40 pax R$ 2.000,00/ cada
Salas de Aula (Pratice Room) 30 pax R$ 2.000,00/ cada
Sala Técnica 10 pax R$ 2.000,00
Camarins Coletivos I, II, III ou IV Modular R$ 2.000,00/ cada
Camarins Individuais I, II, III ou IV Modular R$ 2.000,00/ cada
Camarim Eletroacústica Modular R$ 2.000,00
Sala Fitness 300 pax R$ 5.000,00
Restaurante Modular R$ 5.000,00
Arena Restaurante Modular R$ 2.000,00
Cinemas Modular  R$ 10.000,00

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

· Categoria 1 - Eventos privados para convidados - corporativos / demais eventos comerciais - Valor 100%.

· Categoria 2 - Eventos Privados abertos ao público, com ou sem venda de ingresso (30 % desconto na tabela)

· Categoria 3 - Programação Artística de Interesse da Cidade das Artes | Temporada Cidade das Artes: 20% da receita de bilheteria ou valor de tabela (com 70% de desconto), o que for maior.

· Categoria 4 - Programação Cidade das Artes | "CDA Apresenta" - valores a combinar. Para eventos de interesse da programação da Cidade das Artes e sem possibilidade de verba de locação, não será cobrado o valor de locação do espaço, desde que sejam cobertos os custos operacionais mínimos. Caso tenha venda de ingressos / cobrança de inscrição, será cobrado um percentual (%) sobre a renda bruta (Sala Eletroacústica 10%, demais espaços 20%). Em casos especiais será acordado e validado diretamente com a Presidência e Diretoria.

  • POLÍTICA DE DESCONTOS: 

Pacotes de espaços para serem usados em conjunto recebem 10% de desconto por dia sobre a soma dos preços de tabela.

Para mais de 2 dias, considerar 15% de desconto no total.

Para mais de 7 dias, considerar 25% de desconto.

*Para todos os espaços citados acima pode ser cobrado o valor proporcional por horas, com mínimo de 3h.

  • PREÇOS ESPECIAIS: 

Valores para Sessão de Fotos de cunho “Comercial”.

·    Sessão de fotos de 8h, área interna à Grande Sala e Teatro de Câmara: R$9.000,00.

·    Sessão de fotos de 8h, áreas externas: R$7.000,00.

Os valores podem ser negociados proporcionalmente ao número de horas contratados, com mínimo de 3 horas. Considerar que em geral é interessante para a Cidade das Artes a realização de filmagens e fotografias, por conta de divulgação.

Para sessões fotográficas sem uso comercial, somente para fins pessoais, será cedido o espaço gratuitamente, desde que no horário de funcionamento da Cidade das Artes e sem necessidade de acompanhamento do time operacional / produção.

Para fotografias de veículos de comunicação / imprensa, também será cedido gratuitamente.

Para ensaios veiculados em publicidade aberta (campanha para Revista especializada e cultura, arquitetura, etc.), além do valor da autorização de uso do espaço será cobrada taxa para cessão de imagem da Cidade das Artes.

  • VALORES PARA FILMAGENS:

Para filmagens, consideramos os seguintes formatos:

· Até dois espaços diferentes o valor de R$25.000,00 a diária

· Para mais de dois espaços diferentes R$35.000,00 a diária.

Os valores podem ser negociados proporcionalmente ao número de horas contratados, com mínimo de 3 horas.

Para filmagens de clipes, comerciais, vídeos e similares, cinemas e novelas, séries de TV e similares, prevemos diárias das 8h às 23h, com duas opções:

· Filmagens da categoria Cultural podem receber 30% de desconto adicional.

· Filmagens comerciais somente mediante aprovação da direção.

  • OBSERVAÇÕES GERAIS:

· Os descontos são todos cumulativos.

· Será acrescido 20% do valor para diárias adicionais de montagem e desmontagem.Os casos de isenção serão avaliados pelo Conselho Curador.  

· A locação inclui limpeza básica, segurança patrimonial e brigada de incêndio. Outras necessidades deverão ser contratadas diretamente pelo autorizatário e caso necessário a ampliação dos serviços também será contratado pelo autorizatário.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO:

· Pagamento da primeira parcela, de 30% do valor, deve ser comprovado na ocasião da assinatura do termo de autorização onerosa de uso.

· Em caso de atraso ou não pagamento dessa primeira parcela a pré-reserva não estará mais garantida.

· Pagamento da segunda parcela, preferencialmente de 70% remanescente do valor total, deve ser feito até dois dias úteis antes do início da montagem do evento.

· Demais possibilidades de parcelamento a combinar tendo em vista o prazo de antecedência do Evento e desde que se cumpra as duas regras acima.

· Em caso de cancelamento do evento não serão devolvidas as parcelas de já pagas.

II. Política para Solicitações Governamentais para Eventos na Cidade das Artes.

Condições de solicitação:

· Todo pedido governamental deve passar pela aprovação da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, e chegar formalmente para a Diretoria da Cidade das Artes.

· A Prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da aprovação da SMC, tem direito a realização de até 24 (vinte e quatro) eventos por ano na Cidade das Artes, sendo 8 na Grande Sala, 8 no Teatro de Câmara e 8 em espaços diversos.

· A aprovação do pedido de data está sujeita a disponibilidade do espaço.

· Deverá ser assinado um Termo de Autorização de Uso do espaço, e o evento fica responsável por cobrir os custos operacionais básicos.

· Prazo mínimo de antecedência para solicitação de evento é de 30 dias.

III. Da Publicidade do Termo de Autorização Onerosa de Uso.

· Em conformidade com o RGCAF, os termos serão publicados em extrato no órgão oficial do Município, no prazo de 20(vinte) dias contados de sua assinatura.

· As despesas, relativas à publicação cabem ao contratado.

(*) republicado por ter saído com incorreções no D.O Rio nº 72 de 30 de junho de 2017.

· A locação inclui limpeza básica, segurança patrimonial e brigada de incêndio. Outras necessidades deverão ser contratadas diretamente pelo autorizatário e caso necessário a ampliação dos serviços também será contratado pelo autorizatário.

Será acrescido 20% do valor para diárias adicionais de montagem e desmontagem. Em caso de exceção os pedidos serão validados pelo Conselho Curador.