Fundação Cidade das Artes

Notícias » As histórias de Augusto Pessôa

Setembro de 2013

dia 02, Segunda

As histórias de Augusto Pessôa

augustop

Neste último sábado, o autor e contador de histórias Augusto Pessôa marcou presença na Sala de Leitura da Cidade das Artes, trazendo histórias e adivinhas para o público. Os contos populares selecionados para essa tarde divertida foram “A rã e o Boi”, “João sem medo”, “Mussa”, e “O macaco e a velha”, sendo que alguns deles estão presentes nos livros publicados pelo autor: “Macacada” e “Bá e as Visagens”.

Em entrevista, Augusto diz que a experiência de contar histórias é revigorante: ”Não importa o seu estado, depois de contar histórias você se sente outra pessoa”. E foi por contar histórias que ele também passou a escrevê-las. Seu primeiro convite para escrever foi para um livro com as histórias que ele mais gostava de contar, chamado “Felizes para Sempre”. Hoje, o autor já possui 14 livros publicados.

Ele ainda não conhecia o espaço, mas achou o local maravilhoso. Disse que o público precisa conhecer melhor e aproveitar esse ambiente de cultura.

A Sala de Leitura é uma parceria da Cidade das Artes com o Rio Design. Acompanhe a nossa programação pelo site. Os eventos são gratuitos.

Demais notícias

Fevereiro de 2015

dia 05
Quinta

A prática carnavalesca do entrudo

O "Entrudo" era um tipo de brincadeira de carnaval, possivelmente trazido pelos portugueses da Índia. Sendo a principal manifestação do Carnaval do Rio de Janeiro na primeira metade do século XIX.

[+] leia mais

Fevereiro de 2015

dia 04
Quarta

Marchinhas de carnaval

Preparem o confete, a serpentina e a fantasia: está chegando mais um Carnaval. Mas a folia só está completa com uma boa trilha sonora.

[+] leia mais

Fevereiro de 2015

dia 03
Terça

Dolores Duran, uma mulher fascinante

Adiléia da Silva Rocha já cantava aos três anos de idade Dolores já cantava. Aos cinco, participava das festas populares de reisado e do grupo de pastorinhas, realizadas no bairro da Saúde, no centro do Rio de Janeiro.

[+] leia mais

Fevereiro de 2015

dia 02
Segunda

Dalva de Oliveira, o “Rouxinol Brasileiro”

Dalva de Oliveira era frequentemente chamada de “Rouxinol Brasileiro” por conta de sua voz bem afinada. Foi num 5 de maio de 1917 que a cantora veio ao mundo, na cidade paulista de Rio Claro.

[+] leia mais

Fevereiro de 2015

dia 01
Domingo

Rainha do baião

Terceira filha do casal Raimundo, nascido no Ceará e Adelina, nascida na Bahia. Carmélia Alves Curvello Ela nasceu no bairro carioca de Bangu, em uma quarta-feira de cinzas.

[+] leia mais

Janeiro de 2015

dia 31
Sábado

Aracy de Almeida, mulher do futuro

Aracy de Almeida é apontada como a melhor intérprete da obra de Noel Rosa. Nasceu e cresceu no Encantado, bairro do subúrbio do Rio de Janeiro.

[+] leia mais

Janeiro de 2015

dia 30
Sexta

A Rainha do Choro

Ela nasceu em São Gonçalo do Amarante no RN, aos 4 anos foi para Natal, e finalmente veio para o Rio de Janeiro em 1941, acompanhada do marido músico. Trabalhou em rádio e cantou em programas de calouros até atingir o sucesso com sua interpretação de "Tico-tico no Fubá" ao lado do regional de Benedito Lacerda.

[+] leia mais

Janeiro de 2015

dia 29
Quinta

A Era de Ouro do Rádio

O rádio teve sua expansão mundial após a Primeira Guerra (1914-1918), quando houve grande desenvolvimento nos meios eletrônicos e de comunicação para fins militares. No Brasil, o rádio atingiu seu apogeu em 1930, como principal veículo de comunicação em massa, na mesma época em que o país era governado por Getúlio Vargas.

[+] leia mais

Janeiro de 2015

dia 27
Terça

Oscarito, uma herança artística.

Oscar Lourenço Jacinto da Imaculada Conceição da Teresa Dias, o admirado Oscarito, nasceu na Espanha, mas veio para o Brasil com os pais quando tinha apenas 1 ano de idade. Com 5 anos, estreou no circo, onde tocava violino e fazia o papel do palhaço, além de  números de trapézio e acrobacia.

[+] leia mais

Janeiro de 2015

dia 26
Segunda

De Uberlândia para o Brasil, Grande Otelo.

Com muitos dons artísticos, ele era capaz de interpretar, cantar, escrever e compor. Grande Otelo, foi antes de tudo uma pessoa que amava o que fazia.

[+] leia mais