Fundação Cidade das Artes

Programação » Medalhas de Ouro do Piano - Vadym Kholodenko

Evento Encerrado

Medalhas de Ouro do Piano - Vadym Kholodenko

vadym


A série MEDALHAS DE OURO DO PIANO apresenta em 2014, na Cidade das Artes, três extraordinários jovens pianistas vencedores dos concursos internacionais de piano de maior prestígio no mundo.


21 de Setembro – 17 horas

VADYM KHOLODENKO (27 anos) – Pianista vencedor do Concurso Internacional Van Cliburn nos Estados Unidos

 

Programa: Liszt, Debussy e Stravisnky

 

Em 2013, Vadym Kholodenko venceu o 1º Prêmio e o prêmio de “Melhor Intérprete de Música de Câmara” no Concurso Internacional Van Cliburn, nos Estados Unidos. Ele também recebeu o 1º Prêmio no Schubert Piano Competition  (2012, Alemanha) e 1º Prêmio no Sendai Piano Competition (2010, Japão).

 

Kholodenko foi convidado pelo Maestro Valery Gergiev para ser artista em residência do Teatro Mariinsky, onde se apresentou em várias ocasiões. Tocou também sob a direção de Leonard Slatkin, Yuri Bashmet e Vladimir Spivakov na Europa, Estados Unidos e na Ásia. Recentemente, Vadym tocou com a Orquestra da Filadélfia, recebendo a unanimidade do público e da crítica especializada.

Música

Informações Gerais

Datas

21/09

Horários

17:00

Local

Cidade das Artes

Sala

Sala I

Classificação Etária

Livre

Preços

Plateia: R$ 30,00

Em caso de compra de ingresso pelo call center ou pelo site é possível escolher somente o setor que você deseja. O próprio sistema identifica as cadeiras livres no setor escolhido e emite os ingressos referentes aos lugares vagos. Comprando o ingresso diretamente na bilheteria da Cidade das Artes é possível escolher setor e cadeira.

Demais Eventos da Programação

1 Cidade Jacaranda | Ocupação Artística 23/07 a 25/09 Artes Visuais Exposição “Cidade Jacaranda”, com obras de Carlos Vergara & Zanini de Zanine, José Bechara, Afonso Tostes, Daniel Senise, Iole de Freitas, Vicente de Mello, Raul Mourão, Beth Jobim, Vik Muniz, Angelo Venosa, Arjan Martins,Paulo Vivacqua, Cabelo e Coletivo Organicidade. A mostra, que fica em cartaz durante todo o período dos jogos Olímpicos e Paralímpicos, até o dia 25 de setembro, celebra o início da parceria entre a plataforma Jacaranda e a Cidade das Artes, com o objetivo de promover um panorama relevante da arte contemporânea brasileira.   “Nem todas as obras são inéditas, mas todas têm grande importância na produção individual de cada artista. As pinturas, esculturas e fotografias produzem cruzamentos poéticos entre elas mesmas e a arquitetura do prédio emblemático projetado por Christian de Portzamparc”, pontua José Bechara.   Jacaranda é uma plataforma crossmedia de divulgação da arte contemporânea brasileira. Desde 2014, o grupo vem realizando exposições e, em 2015, lançou a revista bilíngue com distribuição gratuita no circuito internacional de arte. No dia 18 de junho de 2016, inaugurou no bairro da Glória seu novo espaço com a exposição coletiva "Do clube para a praça", organizada pela crítica e curadora Luisa Duarte, com obras de 26 artistas. “Jacaranda é uma idealização de artistas, produzida por artistas e que funda um lugar intelectual e físico que pretende servir a todos que contribuem para formar o que chamamos de mundo da arte”, explica José Bechara.                               [+] saiba mais 1 Oficina de Origami 06/08 Arte e Educação Origami é a arte japonesa de dobrar o papel. Venha aprender com o professor Bruno Ferraz divertidas formas como caixinha, coração entre outros. O origami também trabalha a memória, concentração, visão espacial e você ainda levará para casa todas as dobraduras feitas no dia.   Horários: 15h e 16h Duração: 1h cada sessão Local: Sala de Leitura Capacidade: 30 crianças por sessão Classificação: maiores de 5 anos Vagas limitadas Inscrições: saladeleitura@cidadedasartes.org ou 3325.0448 (terça a domingo – 10h às 18h).   [+] saiba mais 1 OSB | Manu Dibango - Ray Lema - Fabrice di Falco 10/08 Música Com regência de Lee Mills, Orquestra Sinfônica Brasileira recebe na Grande Sala o saxofonista camaronês Manu Dibango, o pianista da República Democrática do Congo, Ray Lema, e o contratenor martinicano Fabrice di Falco.   Na noite do dia 10 de agosto, o Rio de Janeiro vai falar e, principalmente, ouvir o ritmo e as múltiplas faces da cultura francesa. A Fundação OSB e a Organização Internacional da Francofonia (OIF) e a  Fundação Cidade das Artespromovem um encontro marcante entre músicos brasileiros, africanos, europeus e latino-americanos na Cidade das Artes, a partir das 21h. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do espaço cultural na Barra da Tijuca ou pelo site da Ingresso Rápido.   Em todo o mundo, cerca de 275 milhões de pessoas são fluentes em francês. No Brasil, mais de 500 mil falam a língua de Victor Hugo. A OIT é uma instituição que reúne 80 governos e estados espalhados por vários cantos do globo e promove não só a língua, como também, os valores culturais dessa imensa e diversificada comunidade.   O repertório apresenta composições de autores de origem francesa como Ravel, Bizet e Satie, mas também celebra o trabalho dos solistas que participam do concerto.  O contratenor Fabrice di Falco canta Purcell, Saint-George, Mozart, além de árias da ópera Carmen. Já o pianista do Congo, Ray Lema, apresenta ao público obras de sua autoria como “Stop Time” e “Partage”, peças que contém DNA inspirado no que é conhecido como afro-jazz. Indo também nesta direção, Manu Dibango – compositor e músico de afrobeat, também celebrado no universo pop, empunha seu saxofone inspirado nos ritmos africanos em sintonia com o jazz. O camaronês traz à Cidade das Artes, obras como “Waka-Juju” e “Papa Groove”.   Programa: Lee Mills, Maestro Residente da OSB Fabrice di Falco (contratenor) Manu Dibango (saxofone) Ray Lema (piano)   Satie, Erik - Gymnopedies 1 e 3 Purcell, Henry - Rei Arthur | What Power Art Thou (Cold Song) - Extraido do 3º Ato Saint-George, Joseph B. - Penser sans pouvoir agir (Área de Le Duc) Joplin, Scott / arr.: Farjot, J. - A Picture of her Face Mozart, W.A. - Mitriade KV.87 | Gia Dagli Occhi (Aria de Farnace) - Extraído do 3º Ato Bizet, Georges - Carmen | L'amour Est un Oiseau Rebelle / Scene e Habanera Lema, Ray - Stop Time Lema, Ray - C'est une Garonne Lema, Ray - Partage Dibango, Manu - Waka-Juju[aprox. Dibango, Manu - Douala Serenade Dibango, Manu - Papa Groove Ravel, Maurice – Bolero   Sobre Manu Dibango Nascido como Emmanuel N'Djoké Dibango em Duala, Camarões a 12 de dezembro de 1933, é um saxofonista e vibrafonista de jazz e afrobeat. Uma de suas canções, "New Bell", figurou na trilha sonora do jogo Grand Theft Auto IV, mais precisamente na rádio IF99. Uma de suas obras mais conhecida é o afrobeat "Soul Makossa" de 1972 – sendo um dos primeiros africanos a ganhar o disco de ouro nos Estados Unidos. A música foi incorporada por Michael Jackson em "Wanna be start something" e Rihanna em "Don't stop the music".   Sobre Fabrice di Falco O contra-tenor Fabrice di Falco, Cavaleiro da Legião de Honra nasceu na Martinica em Fort de France. Ele obteve o primeiro prémio de Boulogne-Billancourt Conservatório Nacional em 1999. Os convidados frequentes no Óperas Productions barroca e contemporânea óperas em França e no estrangeiro, há também um considerando solista em Festivais Internacionais como na Alemanha, Rússia, Suécia, Itália, Argentina, África, Romênia, Azerbaijão, Japão, Bermudas. Seu selo especial que lhe permite cantar para Sua Majestade a Rainha da Dinamarca a Fredensborg Palace e desde 2005 a Sua Majestade Sultan Qaboos bin Said de Omã com a Orquestra em um programa em torno do Barrows.   Sobre Ray Lema Interessado por todo tipo de estilo musical e precursor nos gêneros, Ray Lema tornou-se famoso no meio internacional da World Music desde os 80, que descobre então as Músicas Africanas. Ele realiza várias colaborações que enriquecem suas composições e seu universo musical: de Stewart Copeland (ex-baterista do Police) para as Vozes Búlgaras, dos Tyour Gnawa de Essaouira para a Orquestra de Câmara de Sundsvall na Suécia, com o cantor e compositor brasileiro Chico César ou ainda mais recentemente, como solista convidado da Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo no Brasil.   Sobre Lee Mills Em 2016, Lee Mills assumiu o cargo de Maestro Residente da Orquestra Sinfônica Brasileira, depois de ter sido, por dois anos, Maestro Assistente da mesma. Em sua carreira, atuou como diretor musical da Orquestra Sinfônica da Universidade de Towson, em Maryland, por três anos. Vencedor da bolsa da Fundação Georg Solti nos EUA, formou-se em regência orquestral em 2011, tendo como tutores Marin Alsop e Gustav Meier. Foi o fundador da Orquestra de Câmara Divertimento em Walla Walla, Washington, e já esteve à frente das sinfônicas de Saint Louis, Baltimore e Bozeman, dos balés de Moscou e Montana, e de diversos outros grupos.   Sobre a Fundação OSB Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações: foi a primeira orquestra brasileira a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Durante 76 anos de trajetória ininterrupta, a OSB revelou nomes como Nelson Freire, Arnaldo Cohen e Antônio Meneses, e teve à frente maestros e compositores brasileiros como Heitor Villa-Lobos, Eleazar de Carvalho, Claudio Santoro, Francisco Mignone e Camargo Guarnieri. Também faz parte de sua história a colaboração de alguns dos maiores artistas do cenário internacional, como Leonard Bernstein, Arthur Rubinstein, Mstislav Rostropovich, Igor Stravinsky, Claudio Arrau, Zubin Mehta, Lorin Maazel e Kurt Masur, dentre muitos outros. Os espetáculos da OSB acontecem hoje nas três mais importantes salas dedicadas à música de concerto do Rio de Janeiro, a Cidade das Artes, o Theatro Municipal e a Sala Cecília Meireles. Sob a direção artística de Pablo Castellar e composta por mais de 90 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla, em sua programação regular de concertos, apresentações especiais e projetos educativos, um amplo universo musical - da produção barroca aos compositores contemporâneos. Para viabilizar suas atividades, a Fundação OSB conta com o incentivo da Prefeitura do Rio de Janeiro, do BNDES, da construtora Carvalho Hosken e de um conjunto de patrocinadores da iniciativa privada, através dos mecanismos federais de incentivo à cultura. Para saber mais sobre o processo de assinaturas acesse o site da OSB – www.osb.com.br.   Sobre a Francophonie A Francofonia é uma das grandes áreas linguísticas mundiais. Não se limita a um idioma em comum, dado que é também fundamentada no compartilhamento dos valores humanistas que foram veiculados pela língua francesa. São os dois pilares sobre os quais está alicerçada a Organização Internacional da Francofonia. Criada em 1970, a Organização Internacional da Francofonia (OIF) tem por missão dar corpo a uma solidariedade activa entre os 80 Estados e governos que a compõem (57 membros e 23 observadores) - ou seja, mais de um terço dos Estados membros das Nações Unidas -, totalizando uma população de mais de 890 milhões de pessoas, 274 milhões das quais são francófones. [+] saiba mais 1 Sambra - O Musical - 100 anos de samba 11/08 a 27/08 Teatro Sambra - 100 Anos de Samba    Uma mescla de musical e show, o espetáculo “SAMBRA”, passeia pela história do samba e de seus baluartes,contando a trajetória deste gênero musical em homenagem a seus 100 anos de existência. O musical, foi escrito e é dirigido por Gustavo Gasparani. Com Diogo Nogueira e grande elenco, o espetáculo contém em torno 70 músicas cantadas e 25 outras que ligam as canções em formato de texto. A narrativa é feita de forma quase cronológica e conta desde a história de “pelo telefone”, supostamente o primeiro samba gravado no país, passa pelo berço do samba, a Praça XI, visita os morros cariocas, o teatro de revista, fala de boemia e malandragem, passeia pelo samba politizado, pelos subúrbios cariocas e deságua na apoteose do samba na Avenida, no desfile das escolas de samba. “SAMBRA" é uma grande viagem, irreverente e lúdica, nada didática, onde o samba é a inspiração, o protagonista”, explica o autor e diretor do espetáculo, Gustavo Gasparani.         [+] saiba mais 1 Oficina de Ikebana 13/08 Arte e Educação Ikebana (em japonês: 生け花 ou いけばな, literalmente “flores vivas”) é a arte japonesa de arranjo floral, também conhecido como o “caminho das flores” kado (华道). Na arte ikebana, procura-se retratar o equilíbrio existente no universo, unindo o céu (Shin), o homem (Soe) e a terra (Tai ou Hikae) dentro de um mesmo arranjo.   A arte do Ikebana é tão popular no Japão que acabou ganhando fama mundial, tanto que existem mais de três mil escolas que a ensinam no mundo e mais de quinze milhões de praticantes. Cada estilo segue um conjunto determinado de regras e de técnicas na hora de elaborar um arranjo floral.   A atividade será em parceria com a Fundação Mokiti Okada, a qual difunde a Arte da Ikebana estilo Sanguetsu no Brasil desde 1974, por meio de cursos, workshops e seminários. Com o objetivo de trabalhar o crescimento da espiritualidade humana através do contato com a flor, criando um ambiente de harmonia, elevação e arte Aberto ao público em geral (maiores de 12 anos), é preciso inscrição prévia junto ao setor de Arte e Educação da Fundação Cidade das Artes.     Horários: 15h e 16h Duração: 1h cada sessão Local: Sala de Leitura Capacidade: 20 pessoas por turma Classificação: maiores de 12 anos Vagas limitadas Inscrições: saladeleitura@cidadedasartes.org ou 3325.0448 (terça a domingo –- 10h às 18h).   [+] saiba mais 1 Vicente de Mello | Bate-papo e Oficina 20/08 Arte e Educação Vicente de Mello falará sobre sua série fotográfica PLI SELON PLI, uma homenagem ao compositor Pierre Boulez, e a intenção de realizar uma obra sonora fotográfica. PLI SELON PLI é um grande móbile que se dobra sobre sua dobra, muda o sentido, a ordem.. É uma desconstrução com a própria música.   Oficina 1ª Parte Ver o mundo por um monóculo Criação de cones e a utilização dos mesmos os cones para delimitar o campo visual e observar detalhes da Cidade das Artes.   2ª parte Utilizando câmera de celular Os participantes escolherão objetos e detalhes da arquitetura da Cidade para fotografar digitalmente, com o objetivo de transformar o que eles parecem ser, como acontece na obra Plie selon pli, de Vicente de Mello.   Finalização   Apresentação das fotografias feitas pelo grupo. Avaliação e troca de experiências. Encerramento. Livros de Vicente de Mello - sorteio.   Horário: 15h Duração: 2h Local: Sala de Leitura Capacidade: 30 pessoas Classificação: maiores de 12 anos Vagas limitadas Inscrições: saladeleitura@cidadedasartes.org ou 3325.0448 (terça a domingo - 10h às 18h).   [+] saiba mais 1 Lendas do Japão | Contação de histórias 27/08 Arte e Educação Lendas do Japão é a contação de histórias apresentada pela Cia.Casa Verde, do município de Itaguaí, onde existe a maior colônia japonesa do Brasil. O espetáculo conta com quatros lendas que retratam o dia a dia e os costumes dos moradores da terra do sol nascente:   “As estátuas de Jizo”, “O caso do cheiro roubado”  “A metamorfose da garça branca”  “A história de Urashima Taro”.   Elenco   Maria dos Remédios Lucas Gomes Lucas Alves Deborah Florian Igor Araújo Manoel Ribeiro Uesley Pereira Rayana Diniz Valdeci   Direção Alexandre Damascena [+] saiba mais 1 Encontro de Corais - Câmara Comunitária da Barra da Tijuca 10/09 Música Em março de 2007, logo após a inauguração de sua sede própria, surgiu o Coral da Câmara Comunitária da Barra da Tijuca.    Formado por pessoas amantes da música e que gostam de cantar, o Coral iniciou suas atividades com, aproximadamente, 60 coralistas adultos, sem limite de idade, em 4 (quatro) vozes. [+] saiba mais 1 Alcione - Boleros Gravação do DVD 17/09 Música Depois de passar pelas principais cidades brasileiras, realizar temporadas superlotadas por alguns dos seus principais teatros e casas de espetáculos, sem esquecer de mencionar as excursões internacionais em países como Portugal, Suíça, Alemanha, Moçambique e Angola com um espetáculo baseado no CD/DVD "Eterna Alegria ao Vivo", a cantora inicia um novo e inspirado projeto: "Alcione Boleros".   Amplamente compatível com seu histórico de hits românticos, letras e canções emocionais "à flor da pele", o projeto era um dos sonhos ainda não concretizados pela intérprete. "- Gosto de cantar aquilo que me emociona, e sempre me emocionava ao ouvir os sucessos de Ângela Maria, Núbia Lafayette, Elizeth Cardoso, e de tantas e tantas divas do gênero. E o meu público, felizmente, sempre aprovou minhas incursões pelo estilo. Tanto que alguns dos meus maiores sucessos pertencem ao gênero romântico".   Mas antes mesmo de seguir para o estúdio de gravação com a finalidade de registrar alguns dos seus boleros favoritos, Alcione resolveu apresentar o novo projeto para os fãs e está preparando uma próxima turnê. No repertório, inesquecíveis e antológicos boleros que se perpetuaram no imaginário coletivo. Melodias que embalaram, embalam, alimentam romances, amores e desamores. Músicas como "Risque" (Ary Barroso), "Segredo" (Herivelto Martins), "Que Queres Tu De Mim" (Jair Amorim / Evaldo Gouveia), "Gracias A La Vida" (Violeta Parra), "Escribeme" (Guilhermo Castillo), "Corsário” (João Bosco / Aldir Blanc), dentre muitas e muitas outras. Um roteiro que ainda incorpora apropriadas canções inéditas impregnadas de visceralidade e de um romantismo que a Marrom sabe incorporar como ninguém.   Apesar de começar este novo projeto com uma turnê nacional, o objetivo também é gravar um álbum inteirinho com standards do romantismo (e também novas composições) dedicados ao estilo que tem lugar cativo nas paradas de sucesso. O álbum, assim como o roteiro deste novo show, terá canções em português e em espanhol. Alcione, com àquele vozeirão peculiar, consegue seduzir as plateias interpretando samba, forró, jazz, reggae ou qualquer outro estilo de música. No entanto, a música romântica sempre teve um lugarzinho especial e cativo em seus espetáculos e, claro, no coração da sua apaixonada e fidelíssima legião de fãs.   Alcione Boleros, este novo projeto da cantora, por todos e tantos aspectos positivos já relatados, tem tudo mas tudo mesmo para ser mais um golaço de placa desta artista que, além de estar celebrando mais de 4 décadas de sucesso, conseguiu, em 2015, encantar o público ainda mais cantando em francês no projeto "Inusitado", na Cidade das Artes, pisou pela primeira vez no palco do Rock In Rio para homenagear a cidade do Rio de Janeiro e "causou" na abertura da novela "A Regra do Jogo", com a música "Juízo Final" de Élcio Soares e Nelson Cavaquinho. [+] saiba mais 1 OSB - Série Safira - Tributo a Bernard Herrmann 24/09 Música Lee Mills, regência   TRIBUTO A BERNARD HERRMANN           Cidadão Kane Um Corpo que Cai Além da Imaginação: Aonde estão todos? Psicose Sinfonia nº 1     [+] saiba mais 1 Caranguejo Overdrive 08/10 e 09/10 Teatro  Caranguejo Overdrive conta a história de Cosme, ex-catador de caranguejos no mangue carioca da metade do século XIX. Convocado para integrar as forças brasileiras na Guerra do Paraguai, enlouquece no campo de batalha, volta ao Rio e encontra uma cidade em grande transformação.   A peça traz os traços de linguagem que caracterizam o trabalho muito original d’Aquela Cia - dispositivos hipertextuais, a relação com a cultura pop contemporânea.  “Caranguejo Overdrive” dialoga com o movimento manguebeat e a obra do Geógrafo Josué de Castro”, descreve o diretor Marco André Nunes. “Procuro criar um universo que soe familiar e que ao mesmo tempo traga algo de surpreendente, seduzindo o espectador para além do que está sendo informado ou compreendido, que lance dúvidas e o instigue a questionar o mundo em que vive”. [+] saiba mais 1 Dimitri Vassilakis - Tributo a Pierre Boulez 05/11 Música Dimitri Vassilakis, piano No Dia Nacional da Cultura, um tributo a Pierre Boulez   Programa   - Arnold Schoenberg - 3 peças para piano op. 11 ( 14’ ) - Pierre Boulez -  12 Notations ( 10’ )                                 Primeira Sonata ( 9’ )      ( Intervalo )    - Claude Debussy : 3 Estudos :     ' pour les arpèges composés '       ' pour les agréments '      ' pour les sonorités opposées ' ( 14’ )   - Pierre Boulez : Terceira Sonata ( 17’ )                               Incises ( 11’ )   Dimitri Vassilakis nasceu em Atenas em 1967, onde começou seus estudos de música. Formou-se no Conservatório Nacional Superior de Música, de Paris, tendo alcançado a nota máxima ‘com louvor’, por unanimidade do júri, em piano, música de câmara e acompanhamento. No Conservatório foi aluno de Gérard Frémy, Monique Deschaussées e György Sebök, dentre outros.   Ele é solista do prestigiado Ensemble Intercontemporain, desde 1992, tendo trabalhado diretamente com Pierre Boulez, de quem fez a première mundial de ‘Incises’, constante da coletânea - Deutsche Grammophon -, com o registro das obras completas do compositor.   Seu repertório se estende de J.S.Bach - com inúmeros registros fonográficos das ‘Variações Goldberg’ e do ‘Cravo Bem Temperado’ - à música de vanguarda, incluindo a obra completa para piano de Pierre Boulez e Iannis Xenakis.   Pierre Boulez maestro e compositor francês, uma das mais proeminentes personalidades da música experimental na segunda metade do século XX, faleceu aos 90 anos, em janeiro de 2016.   Nascido na cidadezinha de Montbrison, nas cercanias de Lyon, em 1925, Boulez estudou matemática e, a seguir, transferiu-se para o Conservatório de Paris, onde foi um dos mais introspectivos e brilhantes estudantes.   No pós-guerra, ele integrou um grupo de compositores reunidos em torno do também francês Olivier Messiaen (1908-1992), que procurava superar o impasse que havia chegado a música de vanguarda da Escola de Viena.   Entre as mais conhecidas composições de Boulez estão “Le Marteau sans Maître”, de 1954, e “Pli Selon Pli”, de 1957.   Ele também passou a se dedicar à regência, impondo-se com um estilo que deixava transparecer, mesmo em repertórios românticos (Brahms ou Berlioz) ou do século XX (sobretudo Stravinsky e Bartok), uma visão extremamente racional sobre a organização dos sons.   Boulez foi a antítese dos maestros excessivamente adocicados, que procuraram obter reações emocionais da plateia.   A leitura de Boulez foi revolucionária na medida em que os motivos temáticos com que Richard Wagner construía suas óperas - nele, não havia mais separação em árias, duetos, trechos fundamentalmente orquestrais - eram vistos como sinalizações para que se aumentasse ou se diminuísse a velocidade com que a música se desenvolvia em cena.   [+] saiba mais